NUMA divulga edital do Processo Eleitoral para Diretor Geral e Diretor Adjunto

A Comissão Eleitoral, no uso de suas atribuições conferidas pela Congregação do Núcleo de Meio Ambiente (NUMA) da Universidade Federal do Pará (UFPA), com base no Regulamento do Processo Eleitoral, torna público o edital sobre o processo destinado à escolha do Diretor Geral e do Diretor Adjunto do NUMA, para o quadriênio 2017-2021. A eleição está prevista para ocorrer no dia 19 de abril, de 9h às 18h.

Inscrições - Poderão se candidatar a Diretor Geral e Diretor Adjunto, docentes efetivos com titulação mínima de Doutor, lotados no NUMA, conforme disposto no art. 89 do Regimento Geral da UFPA. A inscrição deverá ser feita por chapa, com a indicação conjunta dos candidatos a Diretor Geral e Diretor Adjunto em requerimento próprio, assinado por ambos os candidatos, endereçado à Comissão Eleitoral e protocolado na Secretaria Executiva do NUMA, localizado na Cidade Universitária Prof. José da Silveira Netto, Campus Profissional, à Rua Augusto Corrêa, 1, Bairro Guamá, Belém - PA. O documento deve estar devidamente instruído com o resumo do Currículo ou documento que comprove a titulação e, do respectivo plano de trabalho.

O período de inscrição já está aberto e segue até às 17h do dia 14 de abril de 2017, de acordo com o horário local. O deferimento do requerimento das candidaturas inscritas será feito pela Comissão Eleitoral, que divulgará a relação dos candidatos até às 12h do dia 17 de abril de 2017, no site do NUMA.

Processo eleitoral - A eleição ocorrerá dia 19 de abril de 2017, quarta-feira, das 9h às 18h, de acordo com o horário local, em seção eleitoral localizada na Secretaria do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Recursos Naturais e Desenvolvimento Local na Amazônia (PPGEDAM), do Núcleo.

Estão aptos para votar os docentes, efetivos e temporários, lotados no NUMA; Os docentes permanentes do PPGEDAM; Os servidores técnico-administrativos, lotados no NUMA; Os discentes do PPGEDAM, desde que regularmente matriculados; Os servidores legalmente afastados da instituição por motivo de licença para tratamento de saúde, licença-maternidade, licença-prêmio e qualificação profissional.

A indicação de fiscais pelos candidatos à Comissão Eleitoral será realizada no dia 18 de abril 2017, no horário de 9h às 12h, como também a retirada de suas credenciais, no horário de 14h às 16h. Os casos omissos serão resolvidos pela Comissão Eleitoral.

Confira o edital completo aqui.

Rádio Comunitária entrevista professor do NUMA sobre impactos e conflitos socioambientais

O Professor Dr. André Farias, do Núcleo de Meio Ambiente (NUMA/UFPA) e coordenador do Programa de Formação Interdisciplinar de Meio Ambiente (PROFIMA), concedeu entrevista no último sábado, 18, para a Rádio FM Cabana. O bate-papo sobre o tema "Impactos e Conflitos Socioambientais na Região Metropolitana de Belém" foi ao ar às 13h com a radialista Laélia Brito, no programa "Raízes Radicais".

Read more: Rádio Comunitária entrevista professor do NUMA sobre impactos e conflitos socioambientais

Mestranda do PPGEDAM ministra palestra para alunos da Escola de Aplicação

A engenheira agrônoma e aluna do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Recursos Naturais e Desenvolvimento Local na Amazônia (PPGEDAM/UFPA), Márcia de Pádua Bastos Tagore, ministrou no último dia 14 uma palestra para alunos da Escola de Aplicação da UFPA. O bate-papo teve como tema "Riscos Ambientais em áreas de várzea na Amazônia" e é uma importante iniciativa no estabelecimento do diálogo entre alunos do PPGEDAM e alunos do ensino fundamental e médio. Tagore é orientada pelo Prof. Dr. Otávio do Canto e Coorientada pelo Prof. Dr. Mário Vasconcelos.

Tema - Na palestra desenvolvida pela mestranda para os estudantes, foi explicado o significado de várzea, um assunto muito importante para o aprimoramento do conhecimento dos alunos na disciplina de geografia. Citando importantes autores da área, Márcia explicou que as várzeas são extensas faixas localizadas na beira dos rios e que periodicamente são cobertas por águas.

Na Amazônia, esses espaços são ricos em nutriente devido à intensa sedimentação de matéria orgânica. Além disso, a preservação das várzeas é essencial devido ao grande número de espécies ambientes frágeis, que têm como habitat natural esse ambiente. Qualquer alteração provocada pela ação humana, tornaria difícil a recuperação do espaço.

Açaí - O principal assunto tratado pela engenheira agrônoma foi sobre possíveis riscos que a plantação de açaizeiros nas várzeas poderia estar causando. O açaí é um dos frutos de maior importância na alimentação da população ribeirinha e urbana, além de significar um produto com alto poder na econômico. De acordo com a Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB), o Pará é o maior produtor de açaí do Brasil. Somente em 2013, foi responsável pela produção de 111.073 toneladas do fruto.

Apesar da importância do produto, o problema da pesquisa questiona se os novos sistemas de produção de açaí têm alterado as áreas de várzea e provocado mudanças econômicas, sociais e ambientais. A hipótese inicial era a de que o manejo intensivo do açaí nas áreas de várzea estaria implicando em alterações nas relações sociais e de trabalho e alterações na configuração do ambiente entre os ribeirinhos. Em médio e longo prazo, tais fatores poderiam resultar em riscos econômicos,sociais e ambientais nos locais onde se instalam as plantações do açaizeiro.

Conclusão - Após o período de pesquisa desenvolvido no município de Abaetetuba, a mestranda concluiu que as principais alterações identificadas no ecossistema de várzea pelas plantações de açaizeiro foram a homogeneização da paisagem, a partir do monocultivo do açaí; a eliminação de espécies vegetais, que por sua vez resultam em diminuição de outras espécies vegetais e animais, ou ao contrário, aumento de espécies nocivas ao homem que podem resultar em doenças e pragas; e a erosão e assoreamento dos rios.

Para chegar as conclusões anteriores, Márcia Tagore realizou trabalhos de campo junto à equipe da EMATER/PA do escritório de Abaetetuba; fez registros etnográficos, fotográficos e de coordenadas geográficas; realizou visitas com exploração das áreas de produção em dez propriedades com aplicação de questionários e entrevistas semi estruturadas; dentre outros métodos.

De acordo com a palestrante, a valorização econômica do açaí tem levado à implantação de modelos de manejo e plantios que colocam em risco o equilíbrio ambiental. Portanto, apesar de a oportunidade da valorização econômica do açaí necessitar ser aproveitada, ela deve ser pautada pelos parâmetros do desenvolvimento sustentável.

Texto: Fábia Sepeda - Assessoria de Comunicação NUMA/UFPA

Fotos: Arquivo Pessoal

Regulamento do Processo eleitoral do NUMA é divulgado

O Núcleo de Meio Ambiente da Universidade Federal do Pará (NUMA/UFPA) torna público o regulamento do Processo Eleitoral destinado à eleição do Diretor Geral e Diretor Adjunto para o quadriênio 2017-2021. O documento foi aprovado pela Congregação em reunião ocorrida dia 20 de março de 2017. Podem ser candidatar ao processo docentes efetivos com titulação mínima de Doutor, lotados no NUMA - conforme disposto no art. 89 do Regimento Geral da UFPA -, até o dia 14 de abril de 2017.

Confira abaixo o regulamento na íntegra:

REGULAMENTO DO PROCESSO ELEITORAL DESTINADO À ELEIÇÃO DO DIRETOR GERAL E DO DIRETOR ADJUNTO DO NÚCLEO DE MEIO AMBIENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ (2017-2021)

CAPÍTULO I

DISPOSIÇÃO PRELIMINAR

Art. 1º Este Regulamento disciplina o processo eleitoral destinado à eleição do Diretor Geral e do Diretor Adjunto do Núcleo de Meio Ambiente (NUMA), da Universidade Federal do Pará (UFPA), para o quadriênio 2017-2021.

 

CAPÍTULO II

DA COMISSÃO ELEITORAL

Art. 2º Fica instituída a Comissão Eleitoral com atribuição e competência para conduzir o processo eleitoral a que se refere o art. 1º, com a seguinte composição e representação:

I – Presidência, composta por um membro titular e um suplente, representantes do quadro docente lotado no NUMA;

II - 1º Secretaria, composta por um membro titular e um suplente, representantes do quadro de servidores técnico-administrativos do NUMA;

III - 2º Secretaria, composta por um membro titular e um suplente, representantes do quadro discente do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Recursos Naturais e Desenvolvimento Local na Amazônia (PPGEDAM) do NUMA

Parágrafo único. Cabe à Congregação do NUMA deliberar sobre a escolha dos representantes docentes, técnico-administrativos e discentes de que trata este artigo.

 

CAPÍTULO III

DOS CANDIDATOS

Art. 3º O Diretor Geral e Diretor Adjunto serão eleitos entre os docentes efetivos com titulação mínima de Doutor, lotados no NUMA, conforme disposto no art. 89 do Regimento Geral da UFPA.

Parágrafo único. Ao se inscreverem, os candidatos se comprometem a acatar, integralmente, as normas deste Regulamento.

 

CAPÍTULO IV

 DAS INSCRIÇÕES DE CHAPA

Art. 4º A inscrição far-se-á por chapa, com a indicação conjunta do candidato a Diretor Geral e do candidato a Diretor Adjunto do Núcleo de Meio Ambiente, cujo requerimento, endereçado à Comissão Eleitoral será assinado por ambos os candidatos e deverá ser protocolado junto à Secretaria Executiva da Unidade, localizado, no campus profissional, na Cidade Universitária Reitor José da Silveira Neto, na Rua Augusto Correa, nº 1, bairro do Guamá, na cidade de Belém.

§ 1º As chapas deverão solicitar inscrição, indicando candidato a Diretor Geral e a Diretor Adjunto, em documento instruído com resumo do Currículo ou Documento que comprove a titulação e respectivo plano de trabalho endereçado a esta comissão.

§ 2º Os candidatos poderão atribuir nome à chapa de suas candidaturas.

§ 3º As inscrições, em formulário próprio, poderão ser realizadas a partir da publicação deste regulamento até às 17:00 h do dia 14 de abril/2017.

 

CAPÍTULO V

DA SEÇÃO ELEITORAL

Art. 5º A seção eleitoral funcionará na Secretaria do PPGEDAM do Núcleo de Meio Ambiente, para coleta de votos.

Art. 6º A seção eleitoral corresponde uma mesa receptora de votos, constituída de 1(um) Presidente e 1(um) Mesário, designados por esta comissão.

§ 1º As chapas deverão indicar fiscais para permanecer na seção.

§ 2º A seção eleitoral conterá uma única urna, a listagem dos eleitores, a ata e o material imprescindível ao trabalho da mesa receptora de votos.

§ 3º A ata da seção eleitoral deverá ser assinada pelos mesários e fiscais presentes.

 

CAPÍTULO VI

DO VOTO

Art. 7º O voto será secreto e não poderá ser exercido por correspondência nem por procuração.

Art. 8º O sigilo do voto e a inviolabilidade da urna serão resguardados pela adoção das seguintes providências:

I - No início da votação será rompido o lacre da abertura da urna na presença dos fiscais ou de duas testemunhas e interessados que estiveram no local;

II - A ordem de votação será a de chegada do eleitor;

III - O eleitor se identificará à Mesa com a apresentação de um documento de identidade e assinará em lista própria, na qual conste seu nome completo, natureza do vínculo institucional (docente, técnico-administrativo ou discente) e, tratando-se de discente, o número de matrícula;

IV - Identificado, o eleitor receberá sua cédula eleitoral com os caracteres descritos neste Regulamento;

V - O eleitor usará cabine indevassável para votar;

VI - A autenticidade da cédula oficial será garantida pelas rubricas dos membros da Mesa, apostas no ato de entrega da cédula ao eleitor.

Art. 9º A cédula conterá os nomes das chapas com os seus respectivos candidatos a Diretor Geral e Diretor Adjunto do Núcleo de Meio Ambiente.

§ 1º As cédulas terão cores diferentes, segundo cada categoria de eleitores: docente, técnico-administrativo ou discente.

§ 2º O eleitor deverá assinalar o quadrado correspondente à chapa com os nomes dos candidatos a Diretor Geral e Diretor Adjunto de sua preferência.

 

CAPÍTULO VII

DOS ELEITORES

 

Art. 10. São eleitores:

I – Os docentes, efetivos e temporários, lotados no NUMA;

II – Os docentes permanentes do PPGEDAM;

III – Os servidores técnico-administrativos, lotados no NUMA;

IV – Os discentes do PPGEDAM, desde que regularmente matriculados;

V – Os servidores legalmente afastados da instituição por motivo de licença para tratamento de saúde, licença-maternidade, licença-prêmio e qualificação profissional.

Parágrafo único. Não estarão aptos a exercer o voto os aposentados, pensionistas, servidores licenciados para tratar de interesses particulares e os discentes matriculados no Programa de Formação Interdisciplinar em Meio Ambiente (PROFIMA), em regime especial ou em situação de mobilidade acadêmica.

Art. 11. Os eleitores votarão como integrantes de uma categoria, com direito a 1 (um) só voto, de acordo com o critério seguinte:

I – Técnico-administrativo/discente vota como técnico-administrativo;

II – Docente/discente vota como docente;

III – Técnico-administrativo/docente vota como técnico-administrativo.

 

CAPÍTULO VIII

DA APURAÇÃO E TOTALIZAÇÃO DOS VOTOS

Art. 12. A apuração será procedida pela Comissão Eleitoral, logo após o encerramento da votação.

§ 1º Os trabalhos de apuração poderão ser acompanhados por 1 (um) fiscal de cada chapa.

§ 2º Só poderão permanecer no local destinado à apuração os membros da Comissão Eleitoral e os fiscais.

§ 3º As dúvidas havidas durante a apuração serão dirimidas por maioria dos votos dos membros da Comissão Eleitoral.

Art. 13. A urna será considerada nula se:

I – apresentar sinais evidentes de violação;

II   – não estiver acompanhada das respectivas atas e listas de eleitores;

III – apresentar discrepância entre o número de votos apurados e o número de votantes, na forma da legislação eleitoral.

Parágrafo único. A urna considerada nula será lacrada e guardada para efeito de julgamento de recursos.

Art. 14. Serão anuladas as cédulas eleitorais que:

I – não contiverem a autenticação da Mesa;

II – não corresponderem ao modelo oficial.

Art. 15. Será considerado nulo o voto que contiver:

I – mais de um nome assinalado para cada um das funções disputadas.

II – quaisquer registros estranhos à cédula ou que identifiquem o eleitor.

Parágrafo único. As cédulas e os votos, válidos ou não, retornarão, após sua apuração, à urna de origem, que será lacrada e guardada para efeito de julgamento de eventuais recursos.

Art. 16. O critério de apuração dos resultados finais do pleito obedecerá ao critério do voto por categoria, considerando eleito o candidato que obtiver o maior número de votos (maioria simples) em duas das três categorias.

Parágrafo único. Em caso de empate, será considerado eleito o candidato que obtiver o maior número de votos (maioria simples), considerados em sua totalidade.

Art. 17. No boletim de apuração deverá constar:

I - o número de eleitores;

II - o número de votantes;

III - o número de votos válidos, brancos e nulos;

IV - a votação obtida por chapa.

Art. 18. Todos os recursos referentes à impugnação da urna ou quaisquer atos eleitorais serão julgados em primeira instância pela Comissão Eleitoral.

§ 1º Os recursos de que trata o caput deste artigo serão julgados em última instância pela Congregação do Núcleo de Meio Ambiente.

§ 2º Os recursos deverão ser interpostos no prazo de até 24 (vinte e quatro) horas, contados da divulgação do resultado pela Comissão Eleitoral e julgados, no mesmo prazo, em cada instância.

Art. 19. Concluído o processo eleitoral, a Comissão Eleitoral definirá o destino do material utilizado.

Art. 20. Totalizados os votos e julgados os eventuais recursos, a Comissão Eleitoral divulgará os resultados finais do processo eleitoral.

Art. 21. Fica assegurado aos docentes, técnico-administrativos e discentes o direito de se ausentar de seus locais de trabalho e salas de aula pelo tempo necessário para exercer o direito de voto.

Art. 22. A Comissão Eleitoral encaminhará a Congregação do Núcleo de Meio Ambiente ofício com o resultado do processo eleitoral, acompanhado do mapa geral do pleito.

 

CAPÍTULO IX

DA CAMPANHA ELEITORAL

Art. 23. Na realização das suas campanhas, que somente poderão ser iniciadas após a inscrição da respectiva chapa, os candidatos a Diretor Geral e Diretor Adjunto se obrigam a preservar o meio ambiente e evitar qualquer dano ao patrimônio da Instituição.

Art. 24. As campanhas deverão ser exclusivamente preparatórias, observando os princípios e as finalidades da Universidade Federal do Pará, aos princípios éticos de respeito, urbanidade e cordialidade entre os candidatos, aos objetivos do Núcleo de Meio Ambiente e ao Projeto Pedagógico.

 

CAPÍTULO X

DA HOMOLOGAÇÃO DO PROCESSO ELEITORAL

 

Art. 25. A Congregação do Núcleo de Meio Ambiente reunir-se-á extraordinariamente, no prazo de 10 (dez) dias, para a homologação do resultado do processo eleitoral, tomando as deliberações necessárias para viabilizar a transição e a posse dos cargos.

 

CAPÍTULO XI

DAS DISPOSIÇÕES FINAIS

Art. 26. Os casos omissos neste Regulamento serão resolvidos em primeira instância pela Comissão Eleitoral e, em última instância, pela Congregação do NUMA.

Art. 27. As atividades da Comissão Eleitoral se concentrarão na sede do NUMA.

Art. 28. Para divulgação e conhecimento de todos os interessados, este Regulamento será disponibilizado aos representantes docentes, técnico-administrativos e discentes que integram a Comissão Eleitoral, bem como afixado nas áreas de livre acesso e circulação do NUMA.

Art. 29. Quaisquer alterações no presente Regulamento só serão realizadas mediante consulta e aprovação da Congregação do NUMA.

Art. 30. Este Regulamento entra em vigor na data de sua aprovação pela Congregação do NUMA.

 

Belém, 20 de março de 2017.

Palestra com presidente do Banco Santander debate o desenvolvimento sustentável

Mais de 300 pessoas lotaram no dia de hoje, 22, a palestra "Sustentabilidade, Sociedade e Meio Ambiente", ministrada pelo Presidente do Banco Santander, Sérgio Rial, no Auditório Jerônimo Rodrigues do Centro Administrativo do Grupo Líder. O evento foi uma iniciativa do Núcleo de Meio Ambiente da Universidade Federal do Pará (NUMA/UFPA), com o apoio do Grupo Líder e teve como objetivo ampliar a discussão sobre questões ambientais.

Além da comunidade acadêmica e da sociedade de modo geral, estiveram presentes na palestra o grupo de diretores do Líder; membros da Família Líder; Membros e Diretores de vários segmentos do Banco Santander; o Vice-reitor na Universidade Federal do Pará, Gilmar Pereira da Silva; o Diretor Geral do NUMA, Sergio Cardoso de Moraes; e a Vice-reitora da Universidade da Amazônia (UNAMA), Maria Betânia.

O evento teve início com a palavra de Sergio Cardoso, Diretor do NUMA, que exaltou em fala a importância do encontro entre sociedade, empresas e comunidade acadêmica para que se "compreenda a relação entre sustentabilidade e sociedade a partir das grandes instituições financeiras".

Já um dos responsáveis pela iniciativa, o aluno de mestrado do Programa de Pós-Graduação do NUMA (PPGEDAM) e integrante do Grupo Líder, João Augusto Rodrigues, fez a saudação inicial da palestra e ressaltou o comprometimento da sua empresa no assunto. "O Grupo Líder vem abrindo os caminhos para o debate do desenvolvimento sustentável. Buscamos com essa palestra ser o grupo a dar o passo inicial na ampliação dessa discussão", destacou.

Sustentabilidade - Sergio Rial explanou durante o evento o papel das empresas privada em questões sociais no Brasil. O Banco Santander, por exemplo, reúne diversas áreas de incentivo à economia associada a preservação ambiental. "Nós acreditamos que o empreendedorismo funciona como uma mola de transformação nacional", comentou.

Para ele, é necessário construir um país de maneira sustentável em uma parceria entre a sociedade, o setor público e o setor privado. "Estados como o do Pará são muito ricos, um fator que pode significar algo bom, mas também pode ser algo ruim. É necessário que os governantes saibam aproveitar de maneira planejada os recursos da Amazônia. Precisamos, unidos, criar uma logística de ação", concluiu Rial.

O vice-reitor da UFPA, Gilmar Pereira, encerrou a cerimônia exaltando a importância do diálogo entre a instituição federal e o banco Santander. "Estou
muito animado, assim como reitor Emmanuel Tourinho, com o debate do desenvolvimento sustentável. E é muito importante fazer essa reflexão ao lado do presidente de um banco tão importante", finalizou.

Palestrante - Em sua trajetória, Sérgio Rial ocupou cargos em diversas empresas importantes dentro do mercado brasileiro, incluindo instituições financeiras. Atualmente, é presidente de um dos maiores bancos privados do País, o Santander. A empresa é reconhecida no meio acadêmico pelo Programa "Santander Universidades", com programas de bolsas, ciência e inovação, empreendedorismo, transferência tecnológica e apoio a projetos universitários.

O Banco Santander é o 3º maior banco privado do Brasil com mais de 30 mil clientes. A empresa integra o Grupo Santander, oriundo da Espanha e que faz parte da zona do Euro.

Texto e foto: Fábia Sepêda - Assessoria de Comunicação NUMA/UFPA

 

Número de visitantes: